Como preparar um artigo sobre um relato de caso: CAse REporting (CARE) 

Publicado por 7 de Janeiro de 2022 em

Uncategorised

Todos os dias nos deparamos com uma quantidade exorbitante de novas informações dos mais diversos assuntos e no que se refere a estudos científicos não é diferente: nas diversas bases de dados existentes há milhões de artigos existentes e esse número aumenta todos os dias. 

Ao se analisar os diferentes artigos disponíveis, é evidente que nem todos eles apresentam a mesma qualidade de relato – independente da qualidade metodológica em si – e justamente com o objetivo de guiar a escrita de artigos e, consequentemente, tornar mais claras e otimizadas as informações divulgadas a Equator Network (https://www.equator-network.org/) disponibiliza em seu website  guidelines para a publicação de artigos científicos específicos para cad desenho.  

Este post vai apresentar o CAse REporting (CARE), um guideline para relatos e séries de caso (https://www.care-statement.org/). 

CAse REporting (CARE) 

No que se refere a publicações de relatos de caso, tem-se uma importante ferramenta chamada CAse REporting(de acrônimo CARE) que fornece instruções para elaboração de um artigo com esse desenho de estudo. O CARE orienta a elaboração de relatos de casos em geral, com um guia dos componentes chave de um relato de caso, de modo a apreender a informação clínica relevante. Esse guideline elaborado por meio de um consenso, visa promover uma ferramenta para transmitir as informações de maneira precisa, completa e com transparência. 

 A seguir tem-se um um resumo com os principais pontos que devem ser abordados em um relato de caso, segundo esse guideline: 

  1. Título: as palavras “relato de caso” e o fenômeno de maior interesse (diagnóstico, sintoma, intervenção) devem estar presentes; 
  2. Palavras-chave: devem ser escolhidas de 2 a 5 palavras-chaves; 
  3. Resumo: na introdução deve estar presente a que o relato se refere; na apresentação do caso devem estar presentes sintomas, achados clínicos, diagnósticos e intervenções e desfechos principais; na conclusão devem estar presentes as principais mensagens finais do relato de caso; 
  4. Introdução: deve estar presente o contexto que faz esse relato ser relevante para a literatura médica; 
  5. Informações do paciente: devem estar presentes informações demográficas, os principais sintomas do paciente, antecedentes familiares e pessoais; 
  6. Achados clínicos: deve ser descrito os achados importantes do exame físico; 
  7. Cronologia: devem ser apresentados datas importantes no caso; 
  8. Diagnóstico: explicitar os métodos diagnósticos, desafios do diagnóstico, diagnósticos diferenciais e prognóstico; 
  9. Intervenção terapêutica: tipos de intervenção, bem como foi realizada a administração da intervenção e possíveis alterações realizadas; 
  10. Acompanhamento e desfechos: resumir o curso clínico durante todo o seguimento, incluindo o desfecho avaliado pelo clínico e pelo paciente, resultados de testes durante o seguimento, aderência e tolerância à intervenção e efeitos adversos; 
  11. Discussão: os pontos positivos e limitações no manejo do caso, a literatura médica relevante disponível, o racional das conclusões obtidas e as principais lições para se levar desse relato de caso; 
  12. Perspectiva do paciente: quando possível, o paciente compartilhar sua perspectiva ou experiencia; 
  13. Consentimento do paciente. 

 Existem ainda outras ferramentas, consideradas extensões do CARE, mas que buscam auxiliar na elaboração de artigos de relatos de casos em áreas específicas. A seguir algumas delas: 

  • CONsensus Guidelines on Reports of Field Interventions in Disasters and Emergencies: relacionado a acidentes, catástrofes naturais e emergências. 
  • Surgical CAse REporting (SCARE): relacionado à cirurgia. 
  • Single-Case Reporting Guideline in BEhavioural Interventions: relacionado a intervenções compartamentais.  

Com essas ferramentas, é possível priorizar dados mais relevantes e otimizar a leitura e compreensão do relato. Assim, número crescente de informações disponíveis será acompanhado também de um nível adequado da qualidade dos artigos. 

  Autora: Isabella Ferreira Ribeiro. Aluna de graduação do curso de Medicina, Escola Paulista de Medicina (EPM), Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).   

 

Referências: 

Pacheco RL, Latorraca COC, Pachito DV, Riera R. Guidelines para publicação de estudos científicos. Parte 1: Como publicar relatos e séries de casos. Diagn. tratamento. 2017 Abr.- Jun; 

Gagnier JJ, Kienle G, Altman DG, et alThe CARE guidelines: consensus-based clinical case reporting guideline developmentCase Reports 2013;2013:bcr2013201554. 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Subscribe to our newsletter

You will receive our monthly newsletter and free access to Trip Premium.