Plágio acadêmico: o que é e como evitar

Publicado por 29 de Abril de 2022 em

Tutoriais e Fundamentos

Estudo aponta que 87% dos alunos que chegam à faculdade não sabem o que é plágio acadêmico [1] 

 

Definição 

O plágio acadêmico é definido, segundo o dicionário Houaiss, como o ato de assinar ou apresentar o trabalho de outro autor como se tal conteúdo fosse de autoria própria. É, portanto, a cópia do trabalho de outra pessoa, seja essa cópia parcial ou integral. O plágio pode incluir, também, o uso de ideias de outros autores sem mencionar estes como a origem dessas ideias. Juridicamente, tal prática pode configurar crime de violação de direito autoral.  

O plágio é uma questão pedagógica global que afeta muitos aspectos da escrita em vários níveis, mas tem sido a forma mais comum de má conduta acadêmica enfrentada pelas universidades [2] 

 

Tipos de plágio acadêmico 

O plágio acadêmico pode ocorrer de formas distintas [3,4]: 

  • Plágio integral, quando ocorre a cópia na íntegra do estudo de outro autor, sem citação da fonte; 
  • Plágio parcial, quando a cópia ocorre em recortes, reunindo trechos e estudos de autores distintos sem menção às respectivos estuos originais; 
  • Plágio conceitual, também chamado de indireto, quando um estudo é parafraseado sem citação da devida fonte; 
  • Auto-plágio: quando um autor pratica plágio integral parcial ou conceitual de um estudo anterior de sua autoria; ou ainda quando o autor apresenta para publicação um estudo anterior de sua autoria como algo novo e original. 

 

Elementos não textuais 

É importante lembrar que o plágio se refere não apenas a texto do estudo, mas a outros elementos como fluxogramas, gráficos, quadros, tabelas, figuras e imagens. Para utilizar um elemento tal qual o original, é preciso autorização formal do autor e indicação desta autorização no seu estudo, como legenda, por exemplo. Também é possível elaborar um novo elemento a partir do conteúdo destes elementos originais, com a respectiva citação e a indicação clara de que foi feita um adaptação e/ou tradução.  

 

Como evitar o plágio acadêmico 

Há diversas formas de evitar o plágio acadêmico, entre elas: 

  •  Fazer uma citação direta 

Citação direta do autor do trecho utilizado, informando especificamente o autor e a origem do trecho utilizado. A citação direta é a transcrição completa de uma parte de um estudo, uma cópia direta do trecho em questão, valendo-se das mesmas palavras de um autor. Neste caso, a fala deve ser colocada entre aspas para destacar que a ideia utilizada não é de sua autoria. Caso seja uma citação curta (de até três linhas), a fonte do trecho deve estar no próprio texto. Caso a citação tenha mais de três linhas, deve-se utilizar fonte reduzida em relação ao texto principal, sem aspas, espaçamento simples entre as linhas, separação por espaço duplo e recuo de 4 cm da margem esquerda.  

  • Fazer uma citação indireta: 

A citação indireta é a paráfrase, ou seja, a citação de um trecho de um autor, porém escrita com outras palavras e acompanhada da respectiva referência do estudo 

  • Utilizar ferramentas de detecção de similaridade (ver a seguir). 

 

Como detectar o plágio acadêmico? 

Existem ferramentas on-line para verificar a similaridade entre textos e que ajudam a detectar a ocorrência de plágio acadêmico. Algumas ferramentas que presenta versões gratuitas são: 

  • Chimpsky   
  • CitePlag   
  • Check plagiarism   
  • CopyTracker   
  • Dupli Checker 
  • Grammarly   
  • SeeSources   
  • Viper 

 

Atividade prática 

Vamos utilizar este próprio texto para verificar como funciona a detecção do plágio. Siga os passos abaixo. 

  1. Acesse a página do DupliChecker: www.duplichecker.com/pt. 
  2. Insira o texto na caixa central e selecione o ícone “Verifique o plágio” 
  3. Agora, aguarde o resultado e discuta com seus colegas. 

 

Conclusões 

Por fim, agora que já sabemos exatamente o que é plágio, podemos nos afastar desta prática considerada antiética e que não segue os preceitos da integridade em pesquisa.  

 

Autor: Sebastião Castilho Júnior, aluno de graduação da Escola Paulista de Medicina (EPM), Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). 

Supervisora: Rachel Riera. Professora adjunta, Disciplina de Medicina Baseada em Evidências, Escola Paulista de Medicina (EPM), Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). 

 Citar como: Castilho Junior S, Riera R. Plágio acadêmico: o que é e como evitar? Estudantes para Melhores Evidências. Cochrane. Disponível em: [adicionar link da página da web]. Acessado em: [adicionar dia, mês e ano de acesso]. 

 

 Referências 

  1. Sugimoto L. Só 13% dos ingressantes na Unicamp sabem o que é plágio. www.unicamp.br, 2018. Disponível em: https://www.unicamp.br/unicamp/noticias/2018/10/30/so-13-dos-ingressantes-na-unicamp-sabem-o-que-e-plagio. Acessado em 19 de abril de 2022. 
  2. Birks M, Mills J, Allen S, Tee S. Managing the mutations: academic misconduct in Australia, New Zealand and the UK. Int J Educ Integr.2020;16(6):1–15. 
  3. Dalla Costa RMC.Cardoso. Plágio acadêmico: a responsabilidade das associações científicas. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação [online]. 2016;39(3):187-200.  
  4. Roig M. Plagiarism and self-plagiarism: What every author should know. Biochemia Medica. 2010;20(3):295-300. 

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Subscribe to our newsletter

You will receive our monthly newsletter and free access to Trip Premium.